quinta-feira, janeiro 08, 2004

Rui Rio na Câmara do Porto - 2 anos


Passam, hoje, dois anos sobre a eleição de Rui Rio para o cargo de Presidente da Câmara Municipal do Porto. Os dois principais diários fazem uma retrospectiva, sendo que o JN vai mais longe, apresentando uma entrevista. O Público, apresenta um balanço, pois dado o seu aberto conflito com o autarca, nem deve ter arriscado o pedido...
E que dizer destes dois anos? É certo que os conflitos foram vários, algumas vezes ultrapassando o razoável, como no caso F.C. Porto, que muito do prometido ainda é devido (arrumadores, reabilitação da baixa...), que esqueceu quase por completo a vertente cultural e que usou a teimosia como arma política – aqui, o lamentável episódio do El Corte Inglés é paradigmático.
Mas também é verdade que o Porto voltou a ter Câmara Municipal e, principalmente, voltou a ter um Presidente de Câmara. Depois dos consulados socialistas, o patético de Fernando Gomes e o desajuizado de Nuno Cardoso, onde se chegou a pensarque quem mandava na Câmara era Pinto da Costa, eis que Rui Rio clarifica as águas e coloca as coisas no seu devido lugar. É claro que a permissividade em que funcionários e munícipes viviam imergidos, dificulta, e de que maneira, o regresso à tona dos mesmos, já que daquele enganador “estar bem” ninguém quer sair...
Julgo que ainda será cedo para saber se o barco é veloz, certeiro e se o rumo é correcto. É que Rui Rio, ao contrário de outras Câmaras, antes de o pôr a velejar, teve de o reparar, de o deitar ao mar, rumar contra a maré e só agora começa verdadeiramente a poder disputar o objectivo almejado e prometido nos tempos da campanha eleitoral.
Mas uma coisa é certa: daqui a um ano já poderemos concluir, com fiabilidade, se Rio é timoneiro capaz de levar a nau Porto à doca que ele prometeu.
Dupont