segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Direita, volver

A direita sai de rastos desta eleição. E só tem a si própria para se culpar.
A grande lição a tirar destas eleições, algo que certamente se confirmará daqui a uns tempos com José Sócrates, é a inaptidão dos políticos demagogos para estarem à frente de lugares de responsabilidade.
Guterres era homem de verbo fácil e foi essa sua verborreia que o levou à perdição. “A Educação é a minha paixão!”, lembram-se? Santana Lopes, dissemo-lo aqui vezes sem conta, ainda conseguia ser mais apurado. Desde a miserável tomada de posse, com o saltar das páginas do discurso, até às mil e uma tomada de posições retratadas no dia a seguir, o efémero Primeiro-Ministro que agora nos deixa prova como a impreparação, a auto-confiança e o improviso são características letais na política moderna.
Os eleitores, por muitos Big Brothers e Quintas das Celebridades que vejam, ainda vão conseguindo distinguir o trigo do joio. E se gostavam de ver Pedro Santana Lopes como “Príncipe das Revistas do Povo”, já não acharam piada quando ele se resolveu levar a sério e passar a “Rei das Contas do Povo”. Esse povo pode não perceber nada de política, mas intui quem está lá para servir e quem para lá foi para servir-se. Os compadrios, o governar aos solavancos, com timings absurdos e resultados catastróficos, trabalhando para os títulos das notícias e nunca para o corpo do texto.
E o que é que pode acontecer? Se Santana Lopes permanecer no poder, se o PSD voltar a confiar nele, o PS agradece até porque o partido laranja corre o risco de implosão: as autárquicas já se vislumbram no horizonte e a onda rosa vai lá chegar com efeitos devastadores sobre as fortificações do PSD.
O PSD, como partido essencial da democracia portuguesa, só tem uma saída. Limpar a casa. Varrer os que traem os princípios do partido. Como nas florestas, onde um incêndio efectivamente destrói as árvores que há décadas lá se encontravam, mas também permite que as sementes enfiadas na terra possam germinar, num ciclo de renovação.
Dupont