terça-feira, fevereiro 22, 2005

«Queeeero seeer, um GNR...»

O JN de hoje noticia mais uma fantástica intervenção da nossa GNR. Fora dos centros urbanos, esta força policial continua a zelar pela segurança dos portugueses e pelo estrito respeito aos bons costumes.
Um estabelecimento de diversão nocturna e dança situado em Ferradosa, freguesia de Vale de Figueira (S.João da Pesqueira), foi alvo, pela meia- noite de anteontem, de uma rusga por parte da GNR. Porém, e para surpresa dos militares, apenas estavam no local alguns homens sentados e a ouvir música. Uma situação estranha para as autoridades, na medida em que a casa (próxima ao rio Douro) é referenciada por dar trabalho a cidadãs brasileiras.
"A ouvir música"; "próxima ao rio Douro". Parece que estou a ver o quadro... Só poetas, bloquistas, diseurs e artistas alternativos (daí, talvez, a confusão com "alternadeiras", digo eu...)
Bem, quem não alinhou em poesias foi a GNR. Imparável, e à falta de brasileiras....
(...) a GNR deteve um brasileiro por permanência irregular no nosso país e notificou mais dois.
Dá-lhe, Reininho:
«Tens 18 anos e a 4ª Classe/És um jovem ambicioso/vem ser um GNR
GNR, eu quero ser/GNR, eu quero ser, GNR/Vem ser um gordo da GNR»
Dupont