sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Revista de Opinião Vilacondense

No Terras do Ave temos:
- Rui Silva, "Decidimos no Domingo";
- Romeu Cunha Reis, "Democracia de sofá";
- Miguel Torres, "Uma crónica inovadora"
- Eduardo Silva, "Homem neutro"
- Fernando Pereira, "O canto da sereia"
No suplemento de Vila do Conde d'O Primeiro de Janeiro podemos ler:
- Miguel Paiva, "Quer que eles voltem?"
- Arnaldo Fonseca, "Demita-se senhor doutor!..."
- António José Gonçalves, "Abstenção - a vitória anunciada"
- Alexandre Raposo, "Imposição de um voto"
- Afonso Ferreira "Utilidades II"
Ena, tanta gente a falar sobre as eleições: Cunha Reis, Fernando Pereira, Miguel Paiva, António José Gonçalves, Alexandre Raposo e Afonso Ferreira, todos abordam as eleições de Domingo.
Miguel Torres e Eduardo Silva também abordam a questão, mas de forma bem mais subtil: o primeiro ironizando sobre o conceito de "novidade" nesta acto eleitoral e, o segundo, dissertando sobre até onde se pode ser neutral.
Arnaldo Fonseca passou para o papel a sua posição de pedir a demissão de Miguel Paiva. Ainda não percebemos a sanha persecutória do autarca de Modivas. Porque é que insiste em pedir a demissão de um mero vogal da ARS-Norte e não de todo o Conselho de Administração? Será que vai acabar depois do dia 20? Ah, pois o tal vogal é do PSD de Vila do Conde. Muito subtil, senhor Presidente da Junta. Aliás, já aqui tínhamos percebido.
Rui Silva levanta uma questão interessante e extremamente significativa da vivência democrática vilacondense. Nos cortejos de Carnaval é costume ironizar-se os políticos locais. Nem Alberto João Jardim escapa no Funchal. Então, porque carga de água, nestes trinta anos de poder socialista nunca se viu um único quadro humorístico sobre a Câmara, ou Mário Almeida, nos cortejo de Carnaval vilacondenses? E motivos não faltavam... Pois, é que se tal acontecesse, lá se ia o subsídio camarário da irreverente associação...
Dupont