quinta-feira, março 30, 2006

Casper Weinberger

Este post, sobre a morte de Casper Weinberger, o temível Secretary of Defense do consulado de Ronald Reagan, deveria ter sido escrito na terça-feira. Não o foi, apenas para confirmar que tratamento esta notícia iria receber da comunicação social escrita portuguesa. O que espereva encontrar foi exactamente o que previra: o obituário da praxe, provavelmente traduzido e resumido de uma qualquer agência internacional. No DN e no Público, meia dúzia de linhas, sem nada de relevante, algo de perfeitamente natural num país afogado por uma omnipresente e omnisciente comunicação social de esquerda.
No entanto, e na sequência do que já por aqui dissemos aquando das mortes de Reagan e do Papa João Paulo II, convém não esquecer o papel fundamental que gente como esta teve no fim do regime comunista. A Weinberger se deve muita da estratégia norte-amerciana no palco mundial, nomeadamente na vitória, por KO, no braço de ferro militar que disputou com a antiga União Soviética e que iria provocar a queda dos regimes que se abrigavam atrás da Cortina de Ferro. A sua estrarégia foi simples e genial (como todas as coisas simples...), levando atrás de si o Congresso e o Senado, ambos controlados, na altura, pelos democratas: aumentar desmesuradamente o poderio militar norte-americano. A acção verificou-se em várias frentes, mas a mais mediática terá sido o projecto "Guerra das Estrelas". E fê-lo não para que os EUA fossem vencedores em caso de conflito, mas sim para obrigar a URSS a acompanhar a parada - coisa que não conseguiu e que, no fundo, "Cap", como era conhecido, já bem sabia. E o Bloco de Leste implodiu! Só por isso, caso mais não houvesse, já Casper Weinberger mereceria um lugar de destaque na História.
Também já o disse na altura e volto a repetir: esta raça de políticos está em extinção. Não sei se é bom ou se é mau. Mas é um facto.
Dupont