quinta-feira, março 30, 2006

Há gente que nunca vai ter vergonha na cara!!!


Luís Figo, um dos melhores jogadores portugueses e europeus de sempre, tem tanto de genial como de alcoviteiro, aldrabão e trapaceiro.
Começou a carreira internacional assinando por dois clubes ao mesmo tempo... IMpedido pela UEFA de jogar em Itália, o Barcelona deu-lhe a mão, acarinhou-o e elevou-o à condição se super-estrela. Na hora de olhar para o cheque, mandou o clube às malvas e tratou de assinar pelo rival Real Madrid. Era a promessa eleitoral de Florentino Perez, um homem de palavra, que, pese embora alguns resultados desportivos desoladores, ofereceu muitas alegrias à afficcion e tornou o clube no mais rico do Mundo. Mas eis que um treinador recentemente contratado não morre de amores pelo luso e é vê-lo, de abalada, para o Inter, onde continua, naturalmente, a brilhar em campo.
E Figo deve ter pensado: "agora que o Florentino saiu e já não me pode incomodar, vou dizer umas verdades"...
Vai daí, invocando a formalidade de ser sócio, chama "circo" à equipa do clube que lhe pagou o robusto ordenado e onde ainda militam muitos dos seus ex-colegas de equipa, a começar por Raul, seu amigo íntimo. Acusa o ex-presidente de só ter "contratado por contratar", embora ressalve, claro, que isso só aconteceu três anos depois de ele prórpio lá ter chegado...
Entretanto, convém relembrar o romance que foi a sua relação com a Selecção Nacional, em que fez birra para não participar na fase de qualificação - uma trabalheira entediante!... - e só aparecer no final, prontinho para desfilar na passerelle do Mundial da Alemanha.
Luís Figo, enquanto homem envergonha-nos na proporção inversa do que nos orgulha enquanto jogador.

Outro pormenor: atente-se na capa. O jogo Benfica-Barcelona teve direito apenas a uma chamada na parte superior. A Marca, para quem não sabe, é o orgão oficioso do Real Madrid, o que explica muito... É que lá, como cá com o Record, a Bola e o Jogo, o jornalismo desportivo também é uma nódoa.
Dupont