segunda-feira, abril 03, 2006

Que Mar(a)bella!!

«Alcaide dos alcaides», Jesus Gil y Gil representou o pior do poder autárquico enquanto presidiu a Marbella: compadrios com construtores, ligações cruzadas com o futebol, corrupção e sabe-se lá que mais, chegaram a atirá-lo para a prisão. A doença salvou-o apenas para o entregar nos braços da Morte.
Agora, os herdeiros do seu lugar estão metidos numa enrascada ainda maior do que a sua: 23 pessoas presas, a começar na senhora “alcaldesa” Marisol Yagüe, e bens confiscados no valor de, tome-se fôlego, 2.400 milhões de euros. Há lá de tudo, desde quadros de Miró a animais embalsamados, sem esquecer mansões com heliportos, muitos imóveis e imenso dinheiro. Segundo o El Pais, o cérebro desta estratégia era o assessor do Pelouro do Urbanismo, Juan António Roca, que ainda há bem pouco tenpo usara dinheiro do município para fazer uns ‘pequeños arreglos’ lá em casa no valor de… um milhão de euros, que o Tribunal de Contas espanhol classificou de “quiebra técnica”.
Curiosamente, no crescimento exponencial do caos autárquico de Marbella quem teve um papel fundamental foi a Justiça. Na verdade, entre 1991 e 2003, tempo em que decorreram os mandatos de Gil y Gil e do seu sucessor Julián Muñoz, foram impugnados pela Juta de Andalucia duas centenas e meia de obras. Oito foram resolvidas administrativamente e, das cinquenta que já foram para Tribunal, apenas três tiveram julgamento. Perante isto, das duas uma: ou a Justiça é feita por incapazes ou incompetentes, ou o braço logo dos corruptos também lá chegou…
Um filme que, no geral, estamos fartinhos de ver por cá…
Dupont